HISTÓRIA

Aldo Araújo Pinto deu, a seu criatório, o nome de Coudelaria do Castanheiro em homenagem à própria família que residia na Quinta do Castanheiro, viticultura localizada no vilarejo de Tanha, junto à Vila Real de Traz os Montes em Portugal.

As primeiras éguas do plantel Castanheiro vieram de Portugal no início dos anos 90: Ibiza, Benvinda II e Digna. Nos anos seguintes vieram os garanhões Distinto (Manoel Coimbra), Hippus (Vasco Freire), Malmequer (Branco Núncio), Emir (Paulo Caetano) e Homero (Manoel Coimbra). Nas fotos vê-se Distinto em sua apresentação na Feira Internacional de Lisboa de 1.993 quando foi premiado Campeão dos Campeões. O título foi obtido pela unanimidade dos juízes, após ter sido eleito o melhor macho e o melhor da classe macho de cinco anos. Foi o primeiro cavalo de propriedade de um estrangeiro a obter o título máximo da raça.



Outros garanhões de porte serviram a Coudelaria do Castanheiro: Zique (Alfredo da Silva Conde), Portugal (Paulo Caetano), Luar II (Vasco Freire), Andaluz UB (Juliano Teixeira Gomes), Picasso (Branco Núncio), Judas (Ortigão Costa), Jaci (Oliveira e Souza) e Iodo (Companhia das Lezírias).



Filosofia de trabalho
Contribuir para perpetuar a raça "Puro Sangue Lusitano" pelo reconhecimento das suas virtudes, decorrentes de uma seleção funcional, que permitem que este cavalo execute os mais complexos exercícios equestres destreza, altivez e docilidade.
Produzir e fornecer ao usuário animais de qualidade, fortes e saudáveis .
Trabalhar em harmonia com o meio ambiente e o meio equestre, cultivando amizades para sempre.
Coudelaria do Castanheiro: criação de cavalos de esporte e lazer. Venha nos conhecer.
Desenvolvido por Agência Gênia